sexta-feira, 5 de julho de 2019

As praias obscuras

Junto de Lisboa, na margem esquerda do Tejo, encontram-se ainda alguns logares de banhos onde a vida é mais barata que na margem de cá. Taes são:

Porto Brandão, em frente de Belém. Magnifica vista para a margem opposta do Tejo. Arvores — coisa rara — nas visinhanças. Soffriveis casas a preços módicos.

Lisboa vista do Porto Brandão, James Holland, 1837, 1838 ou 1847.
Imagem: Museu de Lisboa

Um bello passeio de cerca de três léguas pela charneca até á Lagoa de El-Rei, o retiro predilecto de D. Pedro V. O pequeno e modesto prédio da casa real, de um só pavimento ao rez do chão, fica á beira do lago, na solidão da charneca.

Hum projecto para a casa de rendez-vous das caçadas reais na Lagoa de Albufeira (detalhe), J. Possidónio Silva, 1854.
Arquivo Nacional Torre do Tombo


A paizagem é de uma grande melancholia sympathica, de um encanto profundamente penetrante. A agua tranquilia da grande lagoa, o áspero aspecto da charneca, a grande solidão, a planice, o profundo silencio, infundem uma pacificação e um sentimento de serenidade ineffavel.

A lagoa é muito povoada, mas a pesca é prohibida sem licença expressa do individuo que a arremata em cada anno. 

Não obstante, o auetor d' estas linhas na ultima vez que ali foi apoderou-se de um polvo, fisgando-o contra uma rocha com uma navalha americana que o seu amigo Eça de Queiroz lhe mandou de presente das margens do Niagara. 

Fundamos o nosso direito a este polvo na circumstancia de que a rocha não é agua mas sim terra firme. Em todo o caso aproveitamos esta occasião para desencarregarmos a consciência pedindo humildemente perdão a sua excellencia o arrematante da lagoa e a sua magestade o proprietário d'ella. Estamos prontos a dar outro polvo, se a coroa assim o exigir.

Planta da Lagoa de Albufeira, 1849.
Arquivo Nacional Torre do Tombo

Os contornos do lago são habitados por óptimos coelhos, magros, mas de um especial sabor salgado e bravio. O snr. D. Pedro v matava-os na carreira, á bala, com notável perícia.

A caça não tem arrematante e é permittida ao publico. Além dos coelhos, que são abundantes, ha massaricos, patos e outras aves marinhas.

Paço Real do Alfeite, Aguarela, Enrique Casanova
Cabral Moncada Leilões

O Alfeite, perto da quinta real do mesmo nome, junto de Cacilhas e da Cova da Piedade. É o mais pittoresco sitio da margem do sul do Tejo.

Fonte da Pipa, aguarela de Álvaro da Fonseca, c. 1915.
Almada na Historia, Boletim de Fontes Documentais, 27-28

A Fonte da Pipa. Logar árido, abafado, triste. Poucas casas sem mobília. Pequenos preços. (1)


(1) Ramalho Ortigão, As Praias de Portugal..., Porto, Magalhães & Moniz, 1876

Artigo relacionado:
Lagoa de El-Rei

quarta-feira, 3 de julho de 2019

Entrada em Lisboa no dia 24 de julho de 1833

Segundo Eschwege [Wilhelm Ludwig von], e Chaumeil de Stella [Essai sur l'histoire du Portugal...], o exercito de D. Miguel compunha-se neste tempo de 5 divisões, e de uma columna movel:  

D. Miguel de Bragança (detalhe) por Johann Nepomuk Ender, 1827.
Google Arts & Culture

a 1.ª divisão occupava Lisboa sob o commando do Visconde do Pezo da Regua;
a 2.ª estava acantonada em Alcobaça e Caldas, e apoiava o seu flanco esquerdo em Torres Vedras: obedecia ao general Povoas;
a 3.ª occupava Torres Vedras e Cintra, sob as ordens de Pinto, e estendia-se além daquellas duas povonções;
a 4.ª, capitaneada pelo Visconde de Santa Martha, existia no Porto e margens do Douro;
a 5.ª divisão estava posta á disposição do governador do Algarve Visconde de Modelos;

Le Portugal et l’Europe en 1829.
Du Tage à l'Eridan épouvantant les Rois / Fait crouler dans le sang les Trônes et les lois!
La fortune toujours du parti des grands crimes / Les forfaits couronnés devenus légitimes!

Google Arts & Culture


ao sul de Lisboa entre Almada e Setubal, manobrava a columna movel, que era cumposta de milicianos.

O exercito permanente era formado das tropas seguintes: 

3 regimentos de artilheria com 29 peças e 7 obuzes; 8 regimentos de cavallaria e 5 esquadrões de policia (5:346 homens com 2:852 cavallos), 
16 regimentos de infanteria, 4 ditos de sapadores, e a guarda da policia (24:136 homens), 
e além disto 49 batalhões de realistas (18.336 homens e 209 cavados), 
e 50 regimentos de milícias (27:508 homens), os quaes se não serviam muito para o serviço do campo, podiam comtudo ser aproveitados para guarnições. (1)

Bandeira de Caçadores n° 7 com legenda.
Elucidário Nobiliarchico

A conhecida diversão para o Algarve, que elle imaginou, e tão felizmente conduzio, é um dos períodos mais brilhantes da carreira militar do actual Duque da Terceira.

Duque da Terceira (detalhe) por John Simpson, após 1834.
Imagem: Parques de Sintra

Desembarcou á testa de 2:500 homens em Cacella na costa do sul do Algarve a 21 de Junho de 1833;

Historical military picturesque..., George Landmann, Faro.
Biblioteca Nacional de Portugal

atravessou velozmente esta província, e o Alemtéjo, e por meio de um rápido movimento illudio o general Mollelos, que o aguardava em Beja com 6:000 homens, e obteve deste modo sobre elle um avanço de dois dias;

accommetteu Setúbal;

Historical military picturesque..., George Landmann, Setúbal.
Biblioteca Nacional de Portugal

bateu a 21 de Julho a divisão do brigadeiro Freitas, e a 23 Telles Jordão em Cacilhas; 

e na manhã do dia 24 entrou em Lisboa, a qual tinha abandonado poucas horas antes o duque de Cadaval [v. Rezumida noticia da vida de d. Nuno Caetano Alvares Pereira de Mello...] com forças quatro vezes superiores, apesar de que a largura do rio, e uma numerosa artilheria facilitavam tanto a defeza, que a menor resistência de Cadaval teria posto o duque da Terceira na impossibilidade até de ousar um attaque sobre Lisboa.

Historical military picturesque..., George Landmann, View up the Tejo.
Biblioteca Nacional de Portugal

Mau grado lodos estes obstáculos, o general de D. Pedro estava tão seguro do resultado, que na vespera, quando ainda as tropas de Cadaval guarneciam Lisboa, escreveu ao Imperador annunciando-lhe a tomada da Capital.

Tenho em meu poder o original desta carta memorável; é o seguinte o seu contheudo: 



— Senhor! Tenho a honra de annunciar a Vossa Magestade, que neste momento acabo de bater completamente as tropas de Telles Jordão. 3 esquadrões, 15 peças, e 700 homens d'infanteria acham-se em meu poder.

O comportamento das forças do meu commando fica acima de todo o elogio. Espero datar do Castello de Lisboa o meu proximo bolletim. 

Beijo respeitosamente as mãos de Vossa Magestade.

— Duque da Terceira. — Cacilhas em 23 de Julho de 1833.


Sobre este officio, que tem o cunho da modéstia, e da simplicidade dos antigos, escreveu a rogos meus a formosa Duquesa da Terceira o seguinte sobrescripto: — Carta do Duque da Terceira ao imperador ua vespera da entrada em Lisboa.

Pátria coroando os seus heróis, Veloso Salgado, 1904.
Museu Militar de Lisboa, Sala das Lutas Liberais (ex Sala das Campanhas da Liberdade).
Maria João Vieira Marques

Tomei a liberdade de lhe propôr que substituísse por tomada a palavra entrada, ao que retorquiu immediatamenle o Duque "Tomada tido, porque o inimigo náo sustentou a sua posição; foi unicamente uma entrada", o Quantos aflatuados redactores de bulletins seriam capazes de dar uma resposta semelhante? (2)


(1) Felix Lichnowsky, Portugal. Recordações do anno de 1842, Lisboa, Imprensa Nacional, 1845

Alguns artigos relacionados:
23 de julho de 1833, a Batalha da Cova da Piedade, por Charles Napier
Derrota dos Miguelistas em Cacilhas

Wikipédia:
Duque da Terceira
António José de Sousa Manuel de Meneses Severim de Noronha

Mais informação:
Elucidário Nobiliarchico, Apontamentos àcêrca das Bandeiras e Estandartes regimentais...
Arquivo Municipal do Porto (Documentos com referência a Cerco do Porto...)
Portuguese Civil Wars (facebook)
Portuguese Civil Wars (facebook): files
Portuguese Civil Wars (facebook): photos

quinta-feira, 20 de junho de 2019

Rua Direita



Almada. Rua Direita e Egreja de S. Paulo Câmara Municipal, ed. Martins/Martins & Silva, 31, c. 1900
Fundação Portimagem

Rua Direita 14, 18, 20. Tenda Moderna, Alexandre Rodrigues Lourenço.



Almada. Rua Direita (detalhe).

Rua Direita 72. Incrível Almadense.


Rua Direita 85, 87. Grandes armazéns da lucta pela vida, José Justino Lopes (Fontainha).


Rua Direita 95, 97. Novo Mundo, Manuel Baptista Vilhena.


Rua Direita 121, 123. O Commercio Almadense, Demétrio Lamas Lopez.


Rua Direita 127, 129, 138. Officina de Latoaria, Antóno Sérgio Augusto de Macedo.


Almada. Rua Capitão Leitão (ex Rua Direita), década de 1900.
Delcampe

Rua Direita 171, 173, 175, 179. Augusto Maria da Silveira.


Rua Direita 183. Salsicharia Almadense.


Rua Direita 192. Antiga Casa do Fontainha.


Rua Direita 219, 221. Antiga Casa do "Zé Padre".


Rua Direita 225, 227. Thomaz Cardoso, "O Gato".


Cabo da vila de Almada no extremo da antiga Rua Direita.
Adega das Andorinhas localzada na antiga Ermida de S. Sebastião.
Museu da Cidade de Almada



cf. InfoGestNet, O Incrível, 1 de novembro de 1906

Artigo relacionado:
Toponímias urbanas oitocentistas

quarta-feira, 19 de junho de 2019

Casa da Câmara do Concelho de Almada

Em contexto iluminista, na rica e tão central vila de Almada, localizada praticamente em cima do epicentro e do coração do Reino – e como que exorcizando os males e as destruições provocadas pelo Terramoto de 1755 – o operativo Juiz de Fora local faz um balanço exaustivo da situação global do Concelho e em particular das carências sentidas em relação a edifícios para casa da câmara e casa da audiência, cadeia e açougue nuns extraordinários e muito ambiciosos Estatutos datados de 26 de Novembro de 1771. (*)

Bellisle looking down the Tagus (detail), John Cleveley Jnr,  1775-1776.
Bonhams

Aí se enunciam providências a tomar para a construção e respectivo financiamento destas e de outras obras públicas. O Juiz de Fora começa por "representar o quanto está abandonado o commodo, e o decoro publico desta villa, e termo, e o quanto percisa de varias obras necessárias”, passando “a dellatar em groço o estado da terra rellativamente a este objecto, que certamente hê vergonhozo: acha se esta sem casas de cammara, da audiencia, e da apusentadoria dos Ministros, sem cadea, pois a que ha hê huma casa alugada, que tem sido repetidas vezes arrombada, [...] as ruas descalçadas em muitas partes e finalmente os caminhos invadiaveis [sic] com atoleiros em muitos citios, e outros á borda de precepicios, sem o lugar perciso, donde se tem despinhado passageiros, como hê no caminho de Porto Brandão, e algumas outras partes". 

O Juiz de Fora de Alamada nota ainda "não se acha a villa, senão com huma fonte retirada a que chamão a fonte da pipa, podendo ter outra no meio da mesma villa, sem se fazere despesa consideravel, por haverem nascentes de agoa muito perto; e por fim sem açougues, e curral do conselho, pois os que ha são alugados: o que tudo se pode edificar, e restabelesser sem a minima dispensa da Fazenda Real, pelo meio de hum suave, e imprecetivel tributo ao povo". 

Praça Camões, Tribunal e Paços do Concelho — Almada, ed. desc., década de 1900.
Delcampe

Em vista desta situação, o Juiz de Fora, certamente um influente agente do poder pombalino, determina que "se fara na praça publica desta villa huma Cadea com toda a necessaria segurança repartida em duas sallas livres, huma para homens, outra para mulheres, huma enxovia, e tres ou quatro segredos, e hum açougue publico, fazendo se tambem em outro cham na mesma praça humas casas para a aposentadoria dos Ministros, salla para a cammara, e outra para a da audiencia, curral do conselho, em citio separado da villa, e dois açougues mais nos lugares do termo donde athe agora se tem vendido as carnes: cujas obras todas se executarão fielmente pela Planta, que fizer o Ingenheiro, que Sua Magestade for servido nomear, e no caso de ser perciso comprar algum cham, ou casas para quaesquer destas obras, se observará o disposto no cap. 7 Estatuto 3, §4: praticando se o mesmo em quaesquer estradas publicas, que for perciso alargarem se: as quaes se consertarão e tambem as calçadas nos citios, que mais o necessitarem". 

Verdadeiro programa de obras públicas, insiste-se no controlo quase autoritário das mesmas, pois "o Juiz de Fora será o Inspector dellas, fazendo-as executar com toda a segurança e bem conforme á Planta de cada huma: determinando verbalmente qual se ha de fazer primeiro, e depois as que se hão de hir seguindo; e passarão os ditos officiaes da cammara mandados de entrega aos rematantes para cobrarem do cofre o preço da arrematação em quatro quarteis; cujas importancias lhes não entregará o dito Ministro á boca do dito cofre, sem darem huma fiança abonnada, para assim se evitarem os prejuizos que podem aconteser" [...]

[...] pensamos que também a antiga casa da câmara de Almada se localizava numa idêntica "praça velha" – o actual Largo do Pelourinho – onde intuímos a que pode ter sido a primitiva casa do concelho num belo embora hoje algo abastardado edifício, separado das traseiras da igreja por um pequeno largo.

Rua do Castelo, Entrada do Jardim, Almada, ed. desc., década de 1900
Fundação Portimagem

Trata-se de um edifício muito harmónico, remontando provavelmente ao século XVI, provido de uma ampla e notável varanda, servida por uma escadaria exterior, outrora provavelmente sustentada por arcadas de desenho e realização mais ou menos eruditos. 

A localização e a configuração do velho edifício são extremamente sugestivas. Estamos convencidos que ligeiras sondagens arqueológicas podem revelar restos significativos das componentes essenciais de uma velha casa da câmara portuguesa, nomeadamente restos das enxovias no piso térreo (latrinas e cloacas, por exemplo), bem como os encaixes das grades de ferro (hoje removidas) daquelas enxovias nas janelas desse piso térreo, nomeadamente na janela que dá para o Largo do Pelourinho.

Provável reconstituição do pelourinho, Raul Pereira de Sousa.
Revista Al Madan, IIa série n° 2, 1993.

Estragos intensos do edifício no Terramoto podem ter levado ao abandono e ao posterior uso doméstico do velho edifício, então substituído pela notável e muito cosmopolita casa da câmara pós-pombalina de Almada.

Em 1771, mas já em contexto iluminista, o Juiz de Fora de Almada faz o balanço dos estragos do Terramoto, expondo "o quanto esta abandonado o commodo, e o decoro publico desta villa, e termo, e o quanto percisa de varias obras necessárias”, pois a vila acha-se “sem casas de cammara, da audiencia, e da apusentadoria dos Ministros, sem cadea, pois a que ha hé huma casa alugada, que tem sido repetidas vezes arrombada". 

Para fazer face a este panorama, entre muitas outras obras de tutela camarária, propõe a construção: "na praça publica desta villa [de] huma Cadea com toda a necessaria segurança repartida em duas sallas livres, huma para homens, outra para mulheres, huma enxovia, e tres ou quatro segredos, e hum açougue publico, fazendo se tambem em outro cham na mesma praça humas casas para a aposentadoria dos Ministros, salla para a cammara, e outra para a da audiencia, curral do conselho, em citio separado da villa, e dois açougues mais nos lugares do termo donde athe agora se tem vendido as carnes: cujas obras todas se executarão fielmente pela Planta, que fizer o Ingenheiro, que Sua Magestade for servido nomear" [...]

Após o Terramoto, em contexto iluminista, também se previa que a casa da câmara de Almada – cuja construção se propunha em 1771, tivesse, mesmo ao lado da “enxovia, e tres ou quatro segredos” da cadeia local, “hum açougue publico” [...]

Enfim, dotada de planta regular e simétrica, embora não rectangular, merece referência a casa da câmara pós-pombalina de Almada, inscrita numa forma vagamente trapezoidal que decorre da forma global do extremo do quarteirão urbano onde se localiza, resultante da convergência das duas ruas que a ladeiam e que confluem na pequenina praça para onde dá a fachada principal do notável edifício.

A esta lista parece ser de acrescentar a que pensamos ter sido a casa da câmara quinhentista de Almada. Trata-se de uma extraordinária casa, actualmente pintada de amarelo-ocre, dotada de uma vasta varanda corrida para a qual dão duas portas, localizada na actua Rua do Castelo, antigo Largo da Câmara, como se lê numa inscrição toponímica no local. 

No largo fronteiro, que ombreia com as traseiras do importante adro da vizinha igreja de S. Tiago, localizava-se comprovadamente o pelourinho da vila de Almada, de há muito demolido. 

Muito vernácula, esta casa encaixa perfeitamente no que sabemos já da da tipologia das velhas casas da câmara portuguesas, apesar de lhe faltarem o brasão e o campanário para o sino da câmara. 

Ligeiras prospecções poderão confirmar a sua antiga existência bem como a presença eventual de sinais de as janelas do piso térreo terem tido grades, pois estas denotariam a existência de antigas enxovias.

Mas esta pulsão erudita, atida a modelos alheios às tradições vernáculas portuguesas, perpassa também por objectos arquitectónicos tão notáveis como a casa da câmara pombalina de Almada (que, a seu modo, emula o Palazzo del Senatore do Capitólio de Roma!) e por complexos urbanísticos tão insólita e inesperadamente vanguardistas como o joanino de Carrazeda de Ansiães ou os pombalinos ou pós-pombalinos de Ponte da Barca, de S. João da Pesqueira ou de Castro Verde, todos eles polarizados em torno ou face às respectivas casas da câmara, que aguardam o estudo que tanto merecem. (1)


(1) Carlos Manuel Ferreira Caetano, As casas da câmara dos concelhos portugueses e a monumentalização do poder local (Séculos XIV a XVIII)

* Estatutos feitos e apresentados pelo Juiz de Fora de Almada José Manuel da Cruz Mendes, relativo à situação global do Concelho e em particular às carências sentidas quanto a edifícios para casa da câmara e casa da audiência, cadeia, açougue, com providências para a construção e respectivo financiamento destas e de outras obras públicas; Almada, de 26-11-1771; Cap. 7 §1; Estatuto 5. §6 e Estatuto 6 §1, in IAN-TT – Ministério do Reino – Correspondência dos Juizes de Fora – Maço 367

Artigo relacionado:
Os Paços do Concelho

Leitura relacionada:
A Reforma Pombalina dos Estudos Secundários (1759-1771), 2.° Volume



Localização: na Praça Propriedade: C. M. de Almada
 

Função Actual:
Sede da C. M. de Almada
 

Estado de Conservação:
exterior intacto; o interior visitado foi total e lamentavelmente descaracterizado, nomeadamente em obras recentes singularmente mal aconselhadas e de gosto muito banal.

Observação:
uma casa de aparência quinhentista, à ilharga do adro da igreja de Santiago e sobranceira a uma praça, o outrora “LARGO DA CÂMARA”, onde se apoia a inscrição toponímica "Rua Rodrigo de Freitas", poderia ter sido a casa da câmara tardomedieval de Almada, a ter em conta a sua tipologia. Ligeiras prospecções arqueológicas na notável casa poderão confirmar ou não esta hipótese. 

Observações:
casa da câmara datável da segunda metade do século XVIII e integrável no ciclopombalino. 
Um dos sinos da torre da câmara, oferecido pela Rainha D. Maria I, tem a data de 1795. Os estudos recolhidos (2003) e consultados sobre a casa da câmara de Almada, produzidos por autores locais, mostram uma grande incompreensão do notável edifício, uma das mais belas e mais puras casas da câmara portuguesas dos fins do Antigo Regime. 

Referências documentais da Casa da Câmara: 
Casa da câmara tardo-medieval; "É nesta rua (nas traseiras da Igreja de Santiago) que a partir de 1423 se reunia a vereação da Câmara Municipal, indiciando assim a expansão do núcleo urbano durante o século XV e também a localização do desaparecido pelourinho quinhentista de Almada", Francisco Silva (Coord.), Almada e o Tejo – Itinerários, Centro de Arqueologia de Almada, Almada, 1999, p. 30.
Auto de Vereação da Câmara de Almada a 3 de Dezembro de 1755 teve lugar "neste citio de Cacilhas e Casas da morada do doutor juis de ffora que de presente se acha digo de presente seruem de casas de Camera", Arquivo Histórico da Câmara Municipal de Almada, CMA/B/A/001/LVO 29, f. 1v.
A casa da Câmara pombalina de Almada foi inaugurada em 1795 - Francisco Silva (Coord.), Almada e o Tejo – Itinerários, Centro de Arqueologia de Almada, Almada, 1999 
O sino da câmara de Almada é de 1795, Artur Vaz, Monumentos de Almada – Inventário, Ed. Revista e aumentada, 1989, p. 33. IAN-TT - Ministério do Reino - Correspondência dos Juizes de Fora - Maço 367: Estatutos feitos e apresentados pelo Juiz de Fora de Almada José Manuel da Cruz Mendes, relativo à situação global do Concelho e em particular às carências sentidas quanto a edifícios para Casa da Câmara e Casa da Audiência, cadeia, açougue, com providências para a construção e respectivo financiamento destas e de outras obras públicas, 13 v e seg.s.; 
Almada, 26-11-1771. IAN-TT, Ministério do Reino, Maço 2004, Relação dos Juízes dos antigos Julgados que cumpriram a Circular do Ministério dos Negócios Eclesiásticos e de Justiça / Repartição de Justiça, de 8 de Junho de 1836, a respeito de Cadeias – Informação do Juiz de Direito de Almada, de 15-6-1836:

"Existe no meu Julgado uma só Cadeia, que é a desta Vila d’Almada (…) A Cadeia pode dizer-se das boas do Reino, ainda que pouco espaçosa e é segura, porem é fácil tornar-se mais cómoda e seguríssima. Carece de algum concerto de grades e uma nova, chumbadas todas em cantaria, que o não são. Precisa lagedo em uma parede, uma abóbada em uma das prisões e um gradão de pau na Sala de Custódia". 

cf.  Carlos Manuel Ferreira Caetano, As casas da câmara dos concelhos portugueses e a monumentalização do poder local... (anexos)

sexta-feira, 14 de junho de 2019

Álvaro e Pedro, no Tejo (1977-1983)

Álvaro Martins Homem (1941), Argus (1983-94). Arrastão de aço, construído no estaleiro da Companhia União Fabril, Lisboa (C107), em 1941, para SNAB, Sociedade Nacional dos Armadores do Bacalhau.

"Estuário do Tejo - Cais do Olho de Boi 1984 - 3 atuneiros da Empresa de Pescado do Algarve; 4 arrastões da CPP da classe ALMADA; 4 arrastões da SNAPA da classe ILHA DE SÃO VICENTE; os arrastões PEDRO DE BARCELOS e ÁLVARO MARTINS HOMEM, da SNAB" cf. Navios à vista, edição Santuário do Cristo-Rei, Henrique Santos

Custou 6.285.345$92, equipado e com o motor foi avaliado em 10.835.345$92. Foi registado em Lisboa a 12 de Julho de 1941, com o nome de Álvaro Martins Homem, com o número G419 e com o indicativo CSGV.

Arrastão Álvaro Martins Homem entra em Leixões nos anos cinquenta.
Os Arrastões do Bacalhau (1909-1993)

O navio tinha 1.250,15 tab e 623,26 tal. O casco tinha de comprimento 65,70 metros, 71,13 de comprimento ff, 11,04 de boca, 5,00 de pontal e 5,23 de calado. Estava equipado com um motor Diesel, marca Fairbanks-Morse, tipo 37D16 fabricado em 1940, de 7 cilindros, a 2 tempos e com a potência de 950 HP. 

Aspecto inicial do arrastão Álvaro Martins Homem.
Os Arrastões do Bacalhau (1909-1993)

Com um hélice, o navio atingia a velocidade de 11 nós. Dispunha de tanques para 392 m3 de Diesel Oil e capacidade para 1.314,6 m3 de peixe salgado, ou sejam 18.008 quintais de bacalhau.

Arrastão Álvaro Martins Homem.
Baseado no desenho nº1154 dos estaleiros Navais da CUF, 1939, existente Museu de Marinha
Os Arrastões do Bacalhau (1909-1993)

Era tripulado por 8 oficiais e 64 outros tripulantes. Realizou a primeira campanha em 1941, capitaneado por José Nunes de Oliveira. Foi autorizado a realizar viagens de comércio de 14 de Setembro de 1942 a 15 de Fevereiro de 1943. A 8 de Janeiro de 1946 recebeu o número LX-10-N320. Em 23 de Fevereiro de 1956 as arqueações passaram a ser 1.256,43 tab, 596,91 tal e 1.510 tm de porte. Foi suprimida a capacidade de arrasto a bombordo e substituído por alojamentos em 1964?. O parque da pesca foi coberto em 1971?. As arqueações passaram a ser 1.250,15 tab e 623,26 tal.

Sociedade de Reparações de Navios, Lda.
Duas Pátrias, julho de 1954

A partir de 1977 foi imobilizado no Tejo aguardando a transformação para a pesca com redes de emalhar. Em 23 de Março de 1983 foi adquirido pela Parceria Geral de Pescarias, Lda.

Arrastão Álvaro Martins Homem no Cais do Ginjal.
Arquivo Municipal de Lisboa

Em 28 de Setembro de 1983 foi registado em Ponta Delgada com o nome de Árgus e com o número PD-449-N. Foi transformado em navio de pesca com redes de emalhar com quatro lanchas e parcialmente congelador em 1989 para 223 toneladas, para a qual foi pedido um subsídio321. Apesar da modificação, manteve os aros de arrasto e o guincho. Em 6 de Setembro de 1989, foram averbadas as arqueações 1.255,26 tab e 586,26 tal. Voltou à pesca em 1989, capitaneado por Armando Vieira Lau. A 7 de Setembro de 1993 regressou da última viagem. Foi demolido em Alhos Vedros. O registo foi cancelado em 5 de Abril de 1994. (1)

Pedro de Barcelos (1945), Labrador (1983-1993). Arrastão de aço construído no estaleiro da Companhia União Fabril (C118) em Lisboa, em 1945, para a SNAB, Sociedade Nacional dos Armadores do Bacalhau.

Arrastão Pedro de Barcelos a pescar nos anos cinquenta. já equipado com radar.
Os Arrastões do Bacalhau (1909-1993)

Foi lançado em 12 de Maio de 1945, juntamente com o João Álvares Fagundes. Custou 7.011.150$00, equipado e com o motor foi avaliado em 18 mil contos. Foi registado em Lisboa em 7 de Agosto de 1945, com o nome Pedro de Barcelos, com o número LX-17-N e com o indicativo CSDL. O navio tinha 1.269,45 tab, 660,27 tal e 1.430 tm de porte bruto. O casco tinha de comprimento 66,05 metros, 71,45 de comprimento ff, 64,00 entre pp, 11,03 de boca, 5,00 de pontal e 5,45 de calado. Estava equipado com um motor Diesel, marca Mirrless, com o nº 5882/42, fabricado em 1944, de 8 cilindros e com a potência de 950 HP a 250 rpm. Com um hélice de 4 pás, o navio atingia a velocidade de 11 nós. Dispunha de tanques para 431 m3 de Diesel Oil e capacidade para 1.327,4 m3 de peixe salgado, ou sejam 18.183 quintais de bacalhau.

Era tripulado por 7 oficiais e 66 outros tripulantes. Realizou a primeira campanha 1945, capitaneado por José Nunes de Oliveira. Foi instalado um novo motor Diesel em Halifax, da marca Cooper-Bessemer tipo LS8DR, nº 3861, fabricado em 1947, de 8 cilindros e 300 rpm. Com 1.000 BHP e 12 nós de velocidade. O motor original foi montado no navio de pesca à linha Sam Tiago então em construção para a SNAB. Em 2 de Maio de 1953, foram averbadas as alterações do aparelho motor. Em 8 de Maio de 1964, foram averbadas as seguintes alterações, resultante do fecho da borda a bombordo a ré, 1.399,31 tab e 736,88 tal. O motor passou a sobrealimentado e com 1.320 BHP. Em 15 de Junho de 1976 foram averbadas as arqueações, resultante do fecho do parque de pesca, para 1.458,24 tab e 781,39 tal.

Foi imobilizado no Tejo em 1977, após incêndio que lhe destruiu a ponte. Não voltou a navegar. Foi vendido à Parceria Geral de Pescarias em 26 de Março de 1983.

Sociedade Nacional dos Armadores de Bacalhau.
Duas Pátrias, julho de 1954

Foi registado em 28 de Setembro de 1983 em Ponta Delgada como Labrador e com o número PD-450-N e com as novas arqueações, 1.299,80 tab e 662,86 tal. Foi pedido um subsídio para modernizado e conversão em navio para a pesca com redes de emalhar. A quota de pesca na NAFO, deste navio foi usada pelo Neptuno. Foi pedido o seu abate 1986330. Em 25 de Maio de 1993, foi considerado demolido, por Baptista & Irmão, Lda. (2)

(1) Ricardo Lisboa da Graça Matias, Os Arrastões do Bacalhau (1909-1993)
(2) Idem

Artigos relacionados:
O Grémio
Sítio de Olho-de-Boi

Mais informação:
Pedro de Barcelos (Museu Maritimo de Íhavo)
Álvaro Martins Homem (Museu maritimo de Íhavo)
Frota da pesca do bacalhau em 1946
A pesca do bacalhau, Duas Pátrias, julho de 1954

sexta-feira, 24 de maio de 2019

António Álvares da Cunha (c. 1700-1791)

(a propósito dos painéis de azulejo da Quinta de São Lourenço em Palença no Pragal)

O título de conde da Cunha fora dado de juro e herdade, por carta de 14 de Março de 1760, a D. António Alvares da Cunha, 

Vista de Lisboa (tomada da margem sul), Alexandre-Jean Noël.
Cabral Moncada Leilões

"tendo consideração aos notáveis e distintos serviços que D. Luís da Cunha me fez, por espaço de sessenta e dois anos sucessivos, nos lugares de desembargador do Porto e da Casa da Suplicação até o ano de 1696, e depois dele, e  até seu falecimento, nos empregos de enviado extraordinário na corte de Londres, de embaixador extraordinário e plenipotenciário no congresso de Utreque, e de embaixador nas cortes de Londres, Haia, Madrid e Paris, atendendo as sucessivas representações com que o sobredito suplicou os referidos serviços lhe fossem despachados em benefício da casa de seus pais e do administrador dela, seu sobrinho D. António Alvares da Cunha,

António Álvares da Cunha (c. 1700-1791).
1.° Conde da Cunha, Vice-rei do Brasil.
Instituto Histórico Brasileiro

contemplando ao mesmo tempo os serviços pessoais com que o dito D. António se tem distinguido também por sua profissão militar até o posto de capitão de mar e guerra das fragatas da armada, e nos empregos de governador e capitão general da praça de Mazagão e do reino de Angola", etc. Carta do título de conde da Cunha, na província do Minho, de juro e herdade, erigindo-se o dito lugar logo em vila. — Chancelaria de D. José, livs. 72,°, fl. 85, e 69, fl. 49. (1)

À semelhança de outras quintas do concelho de Almada, a Quinta de São Lourenço beneficia de uma situação geográfica privilegiada, localizando-se no cume de uma encosta que desce até ao Tejo, onde existiu, outrora, um pequeno ancoradouro de acesso directo à propriedade [...]

Vista da parte ocidental de Lisboa, Alexandre Jean Noel, início da década de 1790
FRESS

São muito escassas as informações disponíveis que se referem a São Lourenço. Pouco ou nada sabemos sobre a sua origem, e a cronologia que avançamos tem por base o inventários do conjunto de azulejos que reveste boa parte dos espaços da casa, e que ainda se conserva no local. A edificação da casa de habitação, de um piso único, deverá remontar ao século XVII.

Assim o indicam as suas principais características arquitectónicas, corroboradas pela existência de azulejos seiscentistas, de padrão azul e branco, no alpendre e na fachada (DUARTE; MANGUCCI, 1998, p. 57). 

Com planta em forma de L, o edifício é composto por uma ala residencial, e por outra, mais comprida, onde se integra a capela, prolongada por anexos destinados a fins agrícolas. A fachada principal é antecedida por uma estrutura formada por colunas toscanas sobre um soco alto.

No alçado imediatamente perpendicular, a capela destaca-se pelo portal, encimado por frontão triangular e cruz na empena, denunciando uma arquitectura de influência pombalina. O espaço interno divide-se em três naves, separadas por colunas toscanas (aliás, esta é a ordem empregue em toda a quinta), e com tribunas.

A abóbada da nave é pintada, e este espaço separa-se da capela-mor através de um arco triunfal de colunas também toscanas [...]

A depuração e linearidade do desenho evoca o gosto seiscentista, também presente no portão de acesso a este amplo terreiro definido pela habitação. De arco de volta perfeita, com aparelho rusticado, exibe, ao centro, a pedra de armas dos Cunha [encimada por elmo com viseira barrada], proprietários da Quinta. 

O terreiro é delimitado por um muro recortado, formando uma série de bancos. Uma lápide com a data de 1713 poderá indiciar nova campanha de obras [na verdade, a lápide indica a data de 1663, MDCLXIII, reinado de D. Pedro II, ano seguinte ao nascimento de D. Luís da Cunha (e ao casamento de Catarina de Bragança), facto, que entre outros, contextualiza de  modo diferente importância do lugar e da familia Cunha].

Quinta de S. Lourenço, lápide com data de 1663.
Património Cultural

Mas serão os azulejos do interior que estabelecem uma cronologia de intervenções. Assim, em 1742 terão sido encomendados os painéis mais conhecidos deste conjunto, aplicados na sala principal da casa. Um deles, com o brasão dos Cunha, exibe a data referida.

Painel de azulejos com as armas fa familia Cunha.
flickr

Seria, contudo, a iconografia naval, com representações de batalhas, desenhos de navios, e instrumentos náuticos que tornaria notados estes azulejos. (2)

Recheio azulejar: sala de entrada - silhares em azul e branco, com representação heráldica datada - 1742 - e painéis representando animais, alguns refeitos recentemente; sala contígua com silhares em azul e branco com cenas palacianas, revivalistas; cozinha do lado oposto com azulejos de figura avulsa;

Quinta de S. Lourenço, Painel de azulejos.
flickr

sala nobre com lambril em azul e branco, atribuível ao período de grande produção joanina, com 3 grandes painéis representado várias caravelas, um estaleiro naval com uma nau a ser lançada ao mar (cortado por chaminé de lareira), um grupo de geógrafos e navegadores rodeando globos terrestres e experimentando instrumentos de medição da latitude pelo sol, vários painéis menores com figuras masculinas segurando instrumentos de navegação marítima;

Quinta de S. Lourenço, Painel de azulejos.
Museu de Marinha

sala contígua - silhares em azul e branco, com cenas palacianas; casa de jantar - composição enxadrezada recente; pequena sala contígua à anterior - cenas palacianas com molduras rococó (c. 1760/70), algumas refeitas na Fábrica de Santana; varanda alpendrada - composições em axadrezado recentes; capela - silhar de padronagem na nave, figurativo na capela-mor, com cenas hagiográficas em azul e branco, com cercaduras polícromas (c. 1760/70).

Nas paredes da nave, sobre o arco triunfal e do lado oposto sobre a tribuna, 2 cartelas rococó em estuque com figurações emblemáticas de S. Sebastião e S. Lourenço.

No espaldar de acesso ao túnel, no jardim, um brasão gravado sobre o vão de acesso e uma lápide em latim datada de 1713 [1663, v. acima]. (3)

Sabemos que os pintores de azulejos não pintavam à vista os navios autênticos, nem iam para as docas com a intenção de representar os navios existentes tão fielmente quanto possível. O papel dos navios nas composições azulejares era meramente simbólico e destinado a ser apreciado por uma sociedade que não era muito literada nas complexidades do desenho de navios.

Em alguns casos parece que os artistas tentaram adaptar as imagens das gravuras numa tentativa de as fazerem mais portuguesas, como no caso da Quinta de São Lourenço, o simplificando o desenho. Nas palavras de Maria Alexandra Gago da Câmara: "A circulação das gravuras e a sua cópia através da Europa originou representações em azulejo, especialmente essas com lazer e paisagens idealizadas, que não são necessariamente uma realidade nacional. mas em vez disso supra-nacional, que ilustra uma série de valores comuns à época, tais como a invocação da vida do país e um certo modus vivendi" (Câmara, 2005: 163).

A Quinta de São Lourenço no Pragal, perto de Lisboa, tem um programa decorativo interessante que consiste em cenas relacionadas com o mar e a navegação, que datam de 1742, baseadas em gravuras holandesas. 

Uma delas apresenta cenas de um estaleiro naval e mostra a construção de um grande navio à esquerda, quase completo, de acordo com a princípio de construção "o esqueleto primeiro". Um grupo de trabalhadores à esquerda do navio puxa um cabo enquanto que outros escolhem madeira para a estrutura do navio. Atrás deles está um pequeno grupo de nobres, olhando para os navios, provavelmente representando os donos do navio. Uma vez que o navio não está completo não é possivel dizer que tipo de navio será [?].

Quinta de S. Lourenço, Painel de azulejos.
Museu de Marinha

O lado direito do painel é ocupado por outro grupo de trabalhadores calafetando um outro grande navio, que está querenado com a ajuda de uma barcaça (Raposo and Reis, 1994: 110, 111; Simões, 2010: 454).

Três dos painéis da Quinta de São Lourenço, Pragal, apresentam navios isolados, um em cada painel, quase certamente reproduções de gravuras holandesas, todos eles representados com grande detalhe.

Um mostra uma galé com remadores levemente desenhados e uma cruz de malta na ré. Perto do navio está um pequeno barco a remos com um nobre de pé.

Galé remada a scaloccio (quatro ou cinco remadores por remo), Quinta de S. Lourenço.
Museu de Marinha

O segundo painel representa um grande navio de guerra com a bandeira holandesa, três mastros, castelo de popa e de proa, e uma lindamente detalhada figura de proa de uma sereia segurando uma coroa.

Quinta de S. Lourenço Painel de azulejos.
Museu de Marinha

O ultimo painel, talvez o mais interessante, revela um navio mais pequeno do que os precedentes, que é baseado nos navios holandeses mas tem a bandeira portuguesa e outras características como uma vela triangular [?] (Raposo e Reis, 1994: 114, 115; 2010: 454) .

Quinta de S. Lourenço, Painel de azulejos.
Museu de Marinha

A batalha naval apresentada na Quinta de São Lourenço, Pragal, de 1742 e baseada em graviuras estrangeiras, tem sido identificada como a batalha de La Hogue (1692), apesar do facto dessa batalha ter sido travada entre ingleses, franceses e holandeses, e que apenas as duas ultimas bandeiras possam ser identificadas nesse painel.

Batalha naval entre navios com proa ao estilo do século 18 e popa ao estilo do século 17 na Quinta de São Lourenço.
Museu de Marinha

Mostra dois navios de guerra disparando um contra e o fumo esconde detalhes de ambos os navios. Atrás deles podemos entre as velas de dois navios semelhantes (Raposo and Reis, 1994: 114; Simões, 2010: 454). (4)

Pelo grande augmenlo que tinham tido todas as Capitanias meridionaes, e sobretudo pela guerra pendente no Rio da Prata, achando-se ameaçado o territorio do Rio Grande do Sul pela rapida invasão de Cevallos [Dom Pedro de] daquelle Continente, resolveu El-Rei mudar a metropoli do Brasil, da Bahia para o Rio de Janeiro; e para 1.° Vice-Rei e Capitão General de mar e terra foi nomeado D. Antonio Alvares da Cunha, Conde da Cunha, por Carta Patente de 27 de Junho de 1763. 

António Álvares da Cunha (c. 1700-1791).
1.° Conde da Cunha, Vice-rei do Brasil.
Literatura Rio de Janeiro (Nireu Cavalcanti)

Chegando ao Rio de Janeiro, tomou posse a 10 de Oulubro do mesmo anno, e governou até o dia 17 de Novembro de 1767, em que foi rendido.

Arsenal do Rio de Janeiro, no sopé do morro de São Bento.
Criado em 29 de dezembro de 1763 pelo Vice-rei Antônio Álvares da Cunha, 1° Conde da Cunha.
O Arsenal de Marinha do Rio de Janeiro na História, 1763-1822

No pouco tempo, que durou a sua administração, reparou todas as fortalezas desmanteladas, levantou a da Praia Vermelha, fez construir na ilha das Pombas dois grandes armazens para deposito da polvora, e. uma armaria na fortaleza da Conceição; na fralda do morro de S. Bento assentou o arsenal da marinha, onde se fabricou a nau S. Sebastião [v. São Sebastião (nau)], e na ponta da Misericordia edificou uma grande casa para o trem de artilharia, que hoje serve de arsenal do exercito; e ultimamente foi este celebre administrador quem creou o Hospital dos Lazaros em S. Christovão, como logo se dirá. (5)


(1) Anselmo Braamcamp Freire, Brasões da Sala de Sintra. Vol. I, Coimbra, ,Imprensa da Universidade, 1921
(2) Quinta de São Lourenço... habitação e dependências da lavoura, capela (São Sebastião)...
(3) Casa e Capela da Quinta de São Lourenço
(4) The representation of vessels in early modern portuguese tile
(5) José Inácio de Abreu e Lima, Sinopse ou dedução cronológica dos fatos mais notáveis da história do Brasil, Pernanbuco, 1845

Artigo relacionado:
Palença de Baixo

Leitura adicional:
Oceanos n° 17, 1994: Raposo F. H., Os Azulejos náuticos da Quinta de São Lourenço, p. 109-115
O Rio de Janeiro no tempo dos vice-reis : 1763 - 1808 (pesquisa: conde da cunha)
Guerra e sociedade: a situação militar do Rio de Janeiro no Vice-Reinado do Conde da Cunha, 1763-1767
Joaquim Manuel de Macedo, As Mulheres de Mantilha, Vol. I, Rio de Janeiro, 1870

Mais informação:
Cronologia do Rio de Janeiro colonial em Imagens
Carlos Couto, Os Capitães Mores de Angola
Arquivo Histórico Umltramarino [Governador e Capitão-General de Angola 1753-1758]
Jardim da Quinta de São Lourenço
As quintas da "Outra Banda": de um passado rural a um futuro cultural